Palavras ao Vento

penso, logo escrevo!

Arquivo para o mês “julho, 2013”

Notas sobre a saudades

Saudade: Segundo o dicionário Caldas Aulete, significa “Sentimento evocatório, provocado pela lembrança de algo bom vivido, ou pela ausência de pessoas queridas ou de coisas estimadas”.
Sentimento que palavras não apreendem, não bastam para explicar. Mas que todo o mundo sabe o que é, como é e porque sente. Sentimento que dá uma dorzinha boa no coração. Boa? Sim! Só sente saudades quem vive plenamente, intensamente, cada momento. Engana-se quem pensa que saudades refere-se a um apego nostálgico ao passado.
Saudades é o sentimento da certeza de que conhecemos, sentimos, experimentamos momentos, coisas, pessoas que importam – e tudo isto segue conosco no coração.
Saudades é aquele ar que as vezes respiramos, ou o som que escutamos, e nos leva longe, nos recônditos das memórias (as vezes nem tão recônditos assim). Uma lembrança fugaz que nos faz sorrir discretamente, ou gargalhar estrondorosamente (para quem nos observa, aparentemente sem motivo algum!).
Saudades é aquilo que nos completa, por lembrarmos de nossa história, revivendo momentos, cheiros, sons, pessoas, sorrisos.
E é este sentimento, a saudade, que uma definição do dicionário não basta para delimitar – que nos faz ter a noção plena de que o presente merece atenção, carinho e cuidado (e cafuné?). Para que no futuro a saudade siga se fazendo um acontecimento.

(escritos do início de 2013, mas que merecem entrar neste espacinho… 😉 )

A falta que fazemos

Felicidade, mesmo, seria perceber
Tua inexistência em meu coração
Que partiste de vez sem deixar sombras, nem marcas

Teimosamente resiste a lembrança
Escondendo-se nos momentos de quietude
Deixando rastros de alegria e tristeza

O que se faz certeza
É que as memórias que se apagam
Não residem em mim

E a falta que fazemos
É parte cotidiana
De apenas um de nós

Miwa

São os anúncios inesperados
As surpresas lindas
Os acontecimentos incríveis
O sorriso nervoso
O choro incontido

São os pequenos detalhes
Que aos poucos vão tomando conta de nós
Que tornam permanentes um sentimento desconhecido

Nas ideias mais lindas
Nas sonoridades mais tenras
Nas pequenas palavras
Que têm definições grandiosas

É como uma bela harmonia
De letras
De tons
De cores
De amores
Que nos preenche
Nos faz sorrir,
A cada dia.

A cada dia

E a cada dia mais certeza
De que este vazio imenso
Que existe
Que invade
Que insiste
Permanece

A cada dia mais segura
De que fazes falta
Por motivos fúteis
Por razões inúteis
Por não estares aqui

Nos detalhes sutis
Te conheço
Me encanto
E entristeço

São os detalhes, ínfimos
As pequenezas de teu jeito
As bobagens de tuas palavras
A grandeza de teus sonhos
Que me alegram, me fazem sorrir

Ah! Essa distância que se impõe
Estes pensamentos que não entendo
Estas decisões que não me pertencem
Estes teus entusiasmos passageiros
Que a cada dia me perseguem, se instalam e ressoam

Bem te vi

Navegação de Posts