Palavras ao Vento

penso, logo escrevo!

Arquivo para o mês “outubro, 2014”

Frases da Semana XXVII

Reunião de duas semanas… Muito trabalho, festa, eleição, ativismo, trabalho de novo… Boas frases. E, novamente, as melhores guardei para mim, desta vez… 😉

– Olha aqui óh. Vou dizer para vocês duas: Não fiquem inventando moda! A gente tá indo lá para se divertir. Não vão falar de política. Vocês não provoquem! Não provoquem. Nós sabemos como é, fiquem quietas…
– Tá! Mas é claro que vamos ficar quietas né! Que ideia.
– Aham, sei. Vocês fiquem quietas! Vocês duas! [repete mais 50 vezes].

– Tche! Tive que tomar banho e usar de novo as baixezas, a mala tá trancada.

– Ana, tu me ama? Eu te amo. Tu me ama? Me ama né? Me ama, ne? Pq eu te amo [repita 50 vezes]
– [resposta todas as vezes]: SIIIIM EU TE AMO PRIMA.

– Eu tava olhando, sabe? Até comentei com a mãe dia desses, como pode, uma guria como tu, doutora, professora universitária, poetisa, escreve tão bem, inteligente… Nós estávamos comentando de ti em casa, como é que tu votava na Dilma, sendo o que és.[Resposta não dita: omg, mas o contrário eu entendo…]

– com todo o respeito pelas outras pessoas que pelos seus motivos não vieram a LABELLADA, mas a ana merece um elogio, que maratona, e ainda tem a volta, desde ja ana, meu muito obrigado,pelo teu esforço, abraços

– O meu país, eu boto fé, pois ele é governado por mulher (8)

– Ah! Bundamolismo contigo?
– Sim 😦 E eu sou tão esforçada… Enfim, rsrsrs
– Eu vejo isso. Eu seria fácil, fácil no lugar dele… 🙂
– hahahaha.

– Aninha… Você é perigosa. Do jeito que gosta de barba, acho que se passar um barbudo por você, você já cai, sabe? Enfim…
– Ah! Não é assim… Precisa ter um sorriso bonito também. E levar chocolates para mim… Sou difícil 🙂
– ahahaha Olhando por esse lado… Fiz por merecer.

– En
Ten
Di
Per
Fei
Ta
Men
Te
Tu
Do
Que
Qui
Ses
Te
Dizer
Ga
U
Chês
Pa
Ra
Vo

Se
Or
Gu
Lhar
De
Mim
Ma
Is
U
Ma
Vez
– hmmm que hermoso ❤

– Mas o que ele falou?
– Ele gostou da capa do presente.
– Ele te convidou para sair? Ai Ana, eu tô achando que ele é um babaca!
– Ah… Eu sei, mas o que eu posso fazer? Eu acho que ele é babaca só nesse quesito. :/

– Mas você sabe que você é assim né?
– Sim! Claro que sei…
– E você sabe usar isso né? Eu já percebi.
– Sim, é claro que eu sei…

– Eu te adoro!
– 🙂 Eu sei. Eu também.

– Você tem que ver isso. Observar essa coisa de buscar rotas de fuga, se é padrão e por que.

– Calma! Tu tem 37?
– Vou fazer, final do ano…
– my god! Jurava ser menos…
– hahahaha
– juro jurandinho!
– ❤ ❤ ❤ GANHEI MINHA NOITE!!! Amor eterno…

– Ah! Eu acho que é aquele padrão, meio sina né…
– Você sabe que não né. Teu ego procura isso e encontra, no fim gosta e se sente importante…
– Sim. Já pensei sobre isso também.

– Anita, onde estás? Me conte de tuas peripécias…
– Tô rua. Tô na esquina democrática em Porto Alegre, esperando a Dilma aparecer 🙂
– Uiaaaaaaaaa! Que massaaaaaaa! Mande-me fotos.
– Tô postando as fotos…
– Mande-me fotos principalmente dos barbudos engajados!
– hahahahaha. ok.

#tônarua #esquinademocrática #portoalegre

#tônarua
#esquinademocrática
#portoalegre

Partidas

Não há poesia

Em dia de partida

Sem poesia

Sem poesia

Roda a saia, menina, e ama

Roda a saia, pequena
E deixa, e sente, e sorri
Aguarda a tormenta passar
E virar brisa suave

Roda a saia menina!
E pula, e grita, e canta
Canta desafinada
Mas segura de si
Do que ama, do que sabe
Do que vive e vibra
Segure-se, baixinha, na ventania
E roda, e anuvia, e aguenta a tormenta

Roda a saia, linda, louca e plena
E suspira, por saber
Que na luta miúda buscamos
O respeito, por mim e por ti
Conquista diária na fala articulada,

No cotidiano suado, sempre
De cabeça erguida, sem subserviência
Eu sei meu lugar. E rodo a saia
E choro o pesar, e celebro o dia
O amar, o viver o dançar.
Danço meu prazer.
Danço minha música
Canto voracidade.

Roda a saia menina
Dança e canta, que amar é mais
E raiva se combate é na minúcia
Na felicidade, destilando alegria
E eu sei meu lugar.
E eu sei que é só o começo do embate
E eu sei dos gritos de ódio, de rancor.
Escuto aqui, ao meu lado, na rua,
Eu sei, eu sinto, eu vejo
E entristeço, todos os dias
Mas sigo, amo e respeito
Todos os dias

E para cada um que duvidar
E para cada um que desafiar
E para cada um que debochar
Meu mais profundo e sincero amor
Desacatado, vadio, insano: amor
Pois eu, meu bem, sigo na luta
Gritando. E meu grito é por mim
Mas é também por ti. Tua raiva
Não passará. Teus brados eu escuto
E deixo a tormenta formar, e anuviar
Até a brisa suave chegar
E instalar a calmaria vinda do embate
E aí? Danço, rodo a saia, canto
Sem nunca cansar

Inspiração

Slide1

Meu mundo (por mim, por outros)

Vomita a indignação
Das possibilidades de vida
De uma política ensandecida
Da falta de inspiração
Pelo cansaço do discurso
Fadado à constância
Fardado para a luta

Brado, grito, choro, pulo
Mas não, não silencio!
Meu mundo é do ruído
Minha gana é por um mundo
Que é de Anas, de Marias, de Miwas
De Pedros, de Carlos, de Joãos,
De Rosas, Margaridas, Lírios e Ipês
De uns, de outros, de todos
Que lutam ao lado ou não

Minha gana é pelo mundo
Meu voto é meu, e é por ti
por nós, por todos. É meu, é público
Dedicado e interessado. Declarado
Mas crítico e não cego. Pronto para seguir
No murro, na luta e nunca parar

Só subo no muro se for para ver
Mais longe e buscar mais mundo
Mais gente com vontade, insanidade
Mais fôlego de te perceber, também,
Com gana, de mais querer.

8672515880_7b6dac4ed9_o

Ideias Soltas IV

Agora
Não
Anúncio

Dizeres
Encantados

Modero meus
Enunciados
Depois de
Exauridos os
Insistentes
Ruídos
Ouvidos
Sensivelmente

Aninha, ainda
Rondas por aí
Notívaga e
Tolamente?

#notívaga

#notívaga

#acrósticos

Frases da semana XXVI

Frases de uma semana de calmarias e turbulências. Tem boas frases, as ótimas e as péssimas – nesta semana e todas da mesma pessoa – guardei para mim…

– A risada é um oferecimento de Marcos, aquele que você diz achar muito gato
– hahahaha! sério? Que delicia! Quem é essa deliciosa?
– hahaha quem é essa deliciosa! Ganhei minha sexta.

– Oi Ana! Boa noite, eu amo você e quero que você venha mais vezes, eu gosto de ver você. Você transmite uma alegria aqui prá gente! Eu amo você e não esqueça aqui de nós! Quando der nós vamos até Tangará passar uns dois dias aí com você, só prá te aporrinhar! [Que isso mamãe! Diz a filha no fundo] É assim mesmo. Amo você e durma bem!
– Tataaaaa ternurinhaaaaa! ❤
– Mamãe tá aqui… “viu como ela é… ela é deslumbrante”
[precisa dizer??? AHHHHHHHHHHH Que linda! <3]

– É um tanto de alimento pro teu tamanho…
– não é o tamanho aninha….é o que vc faz com ele….hahahaha
– olha… Hahahaha. Eu até teria resposta pra isso querido…

– “Não vou pedir pra casar com ele, ele que tem que pedir”. Depois tu dizes que tem azar e eu te defendo. Francamente.
– hahahaha é uma longa história.

– de buenas. Foi só um parênteses de tua amante feminista…
– Hahahahaha. Quer me bater?😏
– si si por supuesto. 😏

– Oi querida! Parece que eu vou te dar aquele abraço…
– Sim! Eu acompanhei as eleições lá só pra saber se eu ia ganhar abraço…

– “Não troque meus sorrisos por suspiros de cansaço” – descreve bem a situação atual. Lindo!
– como estou sem criatividade usei no pensamento da noite também!
– se isso é sem criatividade…
– doce de batata doce = um eterna suspeita hahahah
– hahahaha sou é réu confessa nesse caso 🙂

– se mais 14 pessoas visualizarem a poesia, bate recorde de visualizações diária.
– está muito forte, Ana [a poesia]
– eu sei, me revoltei
– eu fico assim: em estado de orgulho.

– Neste exato momento você sorriu
– é o que parece! hahaha. E foi bom, acredite.

#sorriso #novafase

#sorriso

Dos fatos isolados

Rasga a pele
Dilacera a alma
Interrompe a vida
Destroça o corpo

Diminui a culpa
Minimiza o ato
Autoriza o tapa
O pau, a porra

Deixa o menino seguir
Legitima a vontade de gozar
E segue, acusa a menina:
De vestir, de andar, de beber, de existir

Aponta na rua e grita
Joga pedra, cospe, ejacula
Atira na lama, ignora o sofrer
Sofrer? Foi só um ato

Deixa a sociedade seguir
Na barbárie dos corpos
Que não podem viver
Sem pedir, ajoelhar, implorar

Até quando, mulher?
Até quando menina?

Enquanto banqueteiam-se
Isoladamente, futilmente
Desgastando a carne
Tratando como lixo

Até quando, homem?
Até onde humano?

Ri sociedade
Da piada sem graça
Do asco do corpo
Que segue na luta

Ri, com asco
Até quando?

Reage mulher
Usa tua voz
Tua gana
Tua força

Urra a plenos pulmões: NÃO MAIS
Meu corpo, minha luta, meu prazer,
Nessa pele a tua força
Só entrará com convite

Grita. mulher: quero e posso
Rir alto, beber muito
Trabalhar árduo, ganhar igual
Correr na rua: não é por ti

Grita, mulher: eu exijo o ato
Foder forte! Gozar? Todos os dias
Com minhas mãos ou tua língua
Mas só quando eu quiser

Grita o óbvio: meu corpo
Meu deleite, minha festa, 
Nessa casa mando eu
E só entra quando eu quiser

Chega de juiz
Chega de governo
Chega de gerência
No nosso corpo, mulher

Chega de culpa
Chega de abuso
Chega de desmando
No nosso corpo, mulher

Fato isolado?
Como o corpo dilacerado?
A vida interrompida?
A alma destroçada?

Até quando mulher?
Até quando menina?
Até quando homem?
Até onde humano?

Eu digo:
Não passarás

Nosso corpo, nosso prazer,
Nossa festa, nossas regras

Meu corpo Minhas regras Meu prazer

Meu corpo
Minhas regras
Meu prazer

Mas qual o motivo de tanta revolta, garota? Não sabes? De novo, ultraje, violência e permissividade.
“Mesmo tendo sido preso em flagrante, juiz levou em conta que jovem de 25 anos é réu primário e disse que estupro é “fato isolado”” – Não, não posso, não consigo, não quero calar-me. Não mais…
http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2014/10/justica-manda-soltar-suspeito-de-estuprar-adolescente-na-capital-4620804.html?utm_source=Redes+Sociais&utm_medium=Hootsuite&utm_campaign=Hootsuite

Que sujeitos-leitores queremos para nossos escritos?

Zaratustra, o mestre protagonista do livro Assim Falou Zaratustra (Nietzsche), vai afirmar a importância de nos tornarmos independente dos ensinamentos recebidos. Como discípulos devemos lutar pela autonomia, pelas nossas ideias, nas palavras dele: “Paga-se mal a um mestre, quando se continua sempre a ser apenas o aluno”. Com isso, o mestre nos aponta que não devemos permanecer seguidores daqueles que nos ensinam, não é isso que anseiam os educadores. Pelo contrário, ensinar é possibilitar caminhar sua própria história. Os discípulos que Zaratustra quer são aqueles que buscam seu trajeto, buscam-se a si mesmos.
Como produtores e divulgadores do conhecimento, nossa tarefa também não se mostra diferente. Tanto como professores, pesquisadores ou escritores, devemos procurar desenvolver nosso trabalho no sentido de propiciar sujeitos-alunos, sujeitos-leitores que tomem nossos dizeres como ponto de partida e não de ancoragem – o espaço que, sim, é seguro, mas sem capacidade de criação.
O autor Jorge Larrosa discute a relação entre educação, os atos de ensinar e a leitura, a partir do filósofo Nietzsche, e defende que “ensinar a ler de outra forma é educar o homem por vir, o homem do futuro. Porém, ensinar a arte da leitura não é transmitir um método, um caminho a seguir, um conjunto de regras práticas mais ou menos gerais e obrigatórias a todos” (p.25). Nesse sentido, a aprendizagem se dá não através de conceitos e práticas/protocolos, prontos, acabados. Não existe aprendizagem fora do pensamento, da reflexão, ou seja, não existem modos de ensinar aos estudantes sem que se leve em consideração em que aquilo que falamos se relaciona com suas vidas. Não para ditar regras, costumes e valores arraigados de nossa ciência e nossa sociedade, mas para que possamos oportunizar novas maneiras de olhar e agir – consigo e com a sociedade. Assim, Larrosa dirá ainda que “a tarefa de formar um leitor é multiplicar suas perspectivas, abrir seus ouvidos, apurar seu olfato, educar seu gosto, sensibilizar seu tato, dar-lhe tempo, formar um caráter livre e intrépido… e fazer da leitura uma aventura. O essencial não é ter um método para ler bem, mas saber ler, isso é: saber rir, saber dançar e saber jogar, saber interiorizar-se jovialmente por territórios inexplorados, saber produzir sentidos novos, múltiplos”. Finalizando, Larrosa dirá que “todos os livros estão para serem lidos e suas leituras possíveis são múltiplas e infinitas; o mundo está para ser lido de outras formas; nós mesmos ainda não fomos lidos” (Larrosa, 2002, p.26-27).
Ainda sobre leitura e conhecimento, podemos nos interrogar qual o significado da palavra “ler”. Constam no dicionário Houaiss os seguintes significados: conhecer, através de exame mais ou menos extenso (o conteúdo de um texto); dedicar-se, entregar-se à leitura como hábito ou paixão; compreender, interpretar.
Interessante, não? A leitura é vista, nos dias de hoje, como algo monótono, chato e desinteressante. No entanto, ao olharmos as palavras a ela atribuídas somos levados a pensar não somente nas letras justapostas, mas ao conhecimento e, melhor ainda, à paixão. Paixão por conhecer, compreender, talvez… Ter como hábito a vontade de saber.
Pensando nessa perspectiva, o monótono, quem sabe, pode ser ficar no mundo, sem essa nova aventura que é a paixão que o conhecimento nos proporciona, os lugares que a compreensão nos leva! Desinteressante passa a ser o hábito de entrevar-se, ao contrário de entregar-se à paixão pelo saber…
E ao tomarmos o ato de ler como interpretação torna-se importante, também, ressaltar seu caráter individual – a nossa leitura do mundo, a visão das coisas que nos cercam, o nosso conhecimento construído a partir dos livros que lemos, as nossas memórias formadas com as palavras dos textos. E, talvez, o mais importante de tudo: os passeios possibilitados pelo conhecimento!
Quem sabe um dia possamos desenvolver o que Mário Quintana nomeou como A arte de ler, ao descrever o leitor que mais o fascinava. Nas palavras do poeta: “O leitor que mais admiro é aquele que não chegou até a presente linha. Nesse momento já interrompeu a leitura e está continuando a viagem por conta própria”.
E vocês, não gostariam de arriscar?
liberdade

Enquanto

Encontro
Motivos
Eloquentes

Enquanto
Me
Encanto

Em
Minhas
Epopeias

Sobre imaginação e criatividade... 😉

Sobre imaginação e criatividade… 😉

 

Navegação de Posts

Caderninho de Ideias

Pra escrever o que eu acho sobre tudo que gosto!

TROVANDO ideias

TROVANDO ideias

cozinha pra machos

todo mundo pode cozinhar

Escreva Lola Escreva

penso, logo escrevo!

Ecce Medicus

penso, logo escrevo!

Blog do Sakamoto

penso, logo escrevo!

%d blogueiros gostam disto: