Notas não aleatórias

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

Arquivo para o mês “abril, 2016”

Sobre sentir (o tempo e o deleite)

E em meio a uma conversa, ela proclama:
Não te satisfaças com um cara que queira te fazer gozar. Não que isso não seja fundamental! É que não tem que ser uma obrigação para ele, sabe? Queira um cara que se divirta absurdamente com teu corpo, por puro deleite dele: mas com o TEU corpo… Meter é o corpo dele. Usar teu corpo inteiro, com o corpo inteiro dele, é o teu corpo!

É que ela descobriu, depois de um tempo, que o gostar daquele menino era sincero, mas não era por ela. Aliás, não é por ninguém, é um gostar à toa. Aquele menino parecia ter prazer na permanência de incontáveis momentos se divertindo, apenas. Não que não fosse especial, o que ela não sabia era se outras mulheres se davam conta do quão especial era aquele tempo dedicado (seja algumas horas, um dia, uma semana). Um tempo em que sua pele, seu corpo, cada detalhe seu, era vontade, capricho, propósito e intenção. Um tempo de um desejo simples, de deleitar-se pelo olhar que se perdia em curvas de lençóis e de seu corpo. Um tempo de admirar sem preocupar-se com os segundos que se perdem vagarosos. Um tempo de fazer sorrir exatamente por tomar tempo sendo egoísta – o prazer de si, no corpo do outro, sabe?
Não?
Pois ela sabia e tinha um orgulho imenso (e silencioso) deste saber.

04 copy

ela sabia: o que a pele pede

Sem fim [sinta]

sinta
ávida
vida

sinta
a vontade
de sentir

sinta
sem
sentir

sinta
crescer
vaziedades

sem
fim

pensando palavras ao vento

#vaziedadesemfim

A simplicidade da menina

A simplicidade, meu caro, nunca foi o que a regeu. Ela sempre buscou aquilo que a encanta, o que arranca a risada mais espontânea e inesperada. Risada esta que reaparece, dias depois, suavemente (naqueles momentos despretensiosos, em que estás caminhando na rua? Sabe como é?).
Só que os encantamentos – dizia ela – são múltiplos e estão espalhados por aí no mundo. Sorriso? Era seu primeiro olhar, o que a fazia parar tudo e prestar atenção com um foco raro (quando a chamam de distraída é por nunca terem visto essa menina observando um sorriso).

Um jeito vadio (ela adora o som dessa palavra: v.a.d.i.o. dita pausadamente, com um sorriso estampado nos lábios), uma conversa boba (mas sincera), elogios estranhos e inesperados
– Nada de chamar de linda!!! Isso é fácil – dizia ela…
Mas: narrar a curva que a costela faz quando ela se deita?
Encantar-se com a implicância de seus pensamentos e devaneios?
Aguardar as palavras narradas à exaustão?
Falar da elegância do vestido e coturnos ao ir na padaria?
Ou, ainda, ressaltar o quanto decotes são comuns: “mas essa tua panturrilha, com esse coturno? Foi a primeira coisa que vi…”?
Um jeito que faz a menina se perder: no sorriso, na pele, na vontade, no diálogo, na mordida, na saliva, no silêncio, no olhar, no cafuné, na barba, no sorriso de novo: prazer, suor, câimbra, gargalhadas, suspiro.
Se encanta por vários, ama-os muito, quer um pouco de cada um
Como se fosse possível misturar cada pedacinho dos amores e prazeres num potinho
(e ela sempre acrescentava pedidos por peles mais rabiscadas – um deleite à parte)
Ela se perde: toda vez.

O problema?
Essa difícil mania da menina…
Ela amava demais, e não tinha medo de declarar o amor. Mas apaixonar?
Só por aquele que ela não compreende, aquela ânsia pelo desafio
E ela seguia sem compreender [portanto]
A simplicidade, meu caro, nunca foi o que a regeu…

eu-12

Tua sede, minha sanidade

Teu sorriso faz encanto
Tua fome é desejo
Tua saliva causa sede
Tua barba é deleite
Teu beijo é vontade

Em quem?

Tua fuga
Teu acaso
tua respiração

[minha (in)sanidade
suspira teu sorriso]

Teu silêncio
Teu melhor som
minha melhor resposta

8 copy

Sobre lembranças fugazes, sobre minha sanidade, sobre tua pele

Diálogos insones

ler no sonho
ser feliz na vida.
Viver…
dos 20 aos 30?
Não!!!
dos 10 aos 80
da célula ao pó
Viver! ler, sonhar: ser
livre
ou
plena
ou
leve
ou
louca
ou
só…

[só?]
feliz

20141120

[desenho de Ricardo Liniers]

[Vaziedades]

Vazio contemporâneo:
saber da dor alheia e clamar a atenção para si
demolir pouco a pouco, o carinho construído
inflingindo falta de sensatez
estranha mania dos adultos, humanos
de escarafunchar solidão, impondo intolerante egoísmo.
Olha no outro e vê espelho, usa a imagem para engrandecer a si

Eu, eu, eu…
loucura narcísica
que cega e impede
o sentir.

Narcissus-Caravaggio_(1594-96)

[Narciso, de Caravaggio]

A tempestade

tem dias que ela sai por aí feito menininha,
põe sapato e vestidinho cor-pastel
caminha na via, na rua, na vida
tem dias que ela sai por aí, toda colorida
pé no chão, descabelada, descontraída
curte o vento, suspira, espera a chuva
tem dias que ela sai por aí…
e roda saia, passeia na grama e sabe
é (d)ela a tempestade

Bella-31

Vou deixar de ser…

vou desistir da vida de vadia, virar amélia do lar
limpar a poeira daquele velho sofá no coração
chamar o moço, aquele lá, bem vestido
emprego importante, automóvel do ano
que paga conta, abre a porta, é gentil
é polido e admira o recato da mocinha
moço de bem, marido honesto
lê jornal, na hora do café
elogia a janta, feita com esmero
enquanto pensa na sobremesa
dorme ruidosamente
enquanto a noite chega e a vida passa
[seculares segundos, até o amanhecer]
acorda logo cedo, junto com o sol
enquanto entedia a vida da esposinha

[suspiro]
não adianta!
sem sexo, sem nexo
não tem dia a dia
na tua poesia

deixa esse moço enfadonho, tu gostas mesmo é do turbilhão
deixa a conta na mesa – dividida na graça, na leveza, na risada
deixa o carro fechado – caminha na luz da lua, no frescor da rua
deixa o sofá rasgar – o conforto é de deitar no chão gelado e trombar em parede
deixa a janta esfriar – o bom mesmo é matar fome de pele, na mordida, sem pudor
deixa a noite chegar e o dia amanhecer – segundos existem para o suor, a saliva, o sabor
dormir?
só quando a exaustão se instalar, até o cansaço passar
dorme ruidosamente
enquanto o dia chega e a noite se esvai
acorda com o sorriso preguiçoso
com segundos que passam lentos,
só para sorrir de novo e a pele urrar por mais
enquanto a vida não sacia, vadia

[suspiro]
não adianta!
não tem vadia
sem poesia

9 copy

[sobre deixar de ser vadia: dia da mentira

Navegação de Posts

Caderninho de Ideias

Pra escrever o que eu acho sobre tudo que gosto!

TROVANDO ideias

TROVANDO ideias

cozinha pra machos

todo mundo pode cozinhar

Escreva Lola Escreva

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

Ecce Medicus

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

Blog do Sakamoto

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

%d blogueiros gostam disto: