Palavras ao Vento

penso, logo escrevo!

Arquivo para a tag “Encantamentos”

Poesia de dicionário

As rosas são vermelhas
As violetas são azuis
essa poesia clichê
sem rima, se assemelha
Je ne sais pas qui je suis
(uma constância sem você)

Rosas são libertas
violetas irrompem em cor
catártico é o escrito
que com rima, flerta
na busca de tom, com sabor
para o afago fortuito

2014-09-08 00.07.12

Inércia impermanente

O surpreendente é o encontro com o silêncio, palavras intermitentes, ideias presentes no olhar que, perdido, esconde a si mesmo. Ou tenta.
Um ranzinza trejeito de praguejar o que te encanta, como se o encantamento, em si, fosse pouco, fosse fraqueza, de um descaso com algo maior que sentes, queres ou procuras significar. Ranzinza rabugice que esmiúça e demonstra o encantar recíproco.
Ruptura apegada à manutenção de um porte de face sisuda, ideia compenetrada, análise constante. O que tua voz anula em falas entrecortadas, teu olhar e sorriso denunciam. A suavidade é ser sério pensamento, implicante vontade, timidez volátil, silêncio presente, ânsia (permanente).
Tu, o tempo todo, inércia de mudar, estável ponto de ancoragem, irreverente bagunça exterior, num calmo frenesi que encara o mundo em tempo dedicado, atenta escuta do arredor.
Aquilo que te escapa: tu. Impermanência de ser, um espaço de habitar.
por do sol

[impermanência]

Meu corpo em Si

Ocupa o teu lugar,
que sempre permanente seja, enquanto fores feliz;
que transitório permaneça, se o vento tornar a soprar

Ocupa o teu lugar: em Si.

12087811_896929857021821_4665000567592731665_o

Fotografia de Simone Bispo Fotografia, Poesia sobre o projeto “Meu Corpo em Si” (de Simone Bispo):

https://www.facebook.com/simonebispofotografia/

 

Sobre ressacas…

A vida tem dessas trapalhadas
A gente finge que está nem aí
Se enrola por querer
Segue enrolado por bem estar
Puro deleite sem descaso, nem acaso
boemia com sentido
sorrisos que encantam
risadas sinceras [e alcoolizadas]
na vadiagem declarada
a ressaca, um dia, virá
mas ainda não foi dessa vez
E quem disse que ela tem receio de ressaca?
abraço

sobre a vida, sobre ressacas 😉

Carnaval

Tão perto, tão longe…
Esse excesso de dizeres
Esse silêncio demasiado
Esse montante de trabalho
Essa semana que não acaba
Esse tempo que se arrasta
Essa vontade de um mundo
Distante, aqui do lado.

Aqui do lado, distante
Essa vontade dos tambores
Essa estridência da cuíca
Essa alegria ritmada dos tamborins
Esse encanto do cavaquinho
Essa semana que voa
Em um excesso de dizeres
Numa nau de felicidade
Tão longe, tão perto.

Carnaval

 

 

Versos Gritados 2

versos gritados

num sussurro ofegante

teu silêncio produz

minha (in)quietude constante

O som do silêncio que desacomoda e inquieta

O som do silêncio
que desacomoda
e inquieta

Histórias sem fim

O menino

&

A menina

Tem a manhã que inicia preguiçosa
Tem o dia que passa correndo
As vezes fala e não consegue ver
As vezes a observa em silêncio

Ah, conhece e declara o que a agrada
(e não há pudor ou embaraço no dizer)
Por isso, quando o dia é de conquista
joga com o que permite ganhar um tímido sorriso

Nomeia afinidades sem igual
Alguns momentos a paciência acaba
Outros, a perplexidade cala
Ironiza desencontros, e sorri.

planeja, organiza, organiza, organiza
e se perde, sempre, é na fala
Essa ansiedade que a habita
enquanto devaneia em seu sorriso.

Histórias sem fim
Estórias enfim

12065601_1082207815152588_6837711478796290473_n

Shin (dias de festa…)

Hoje eu vou só repetir uma poesia que fiz cerca de um ano atrás, para a chegada de um pequeno, que carrega no nome a potência da verdade, no sorriso a intensidade da ternura e… nos olhar? Ahh, nesse olhar ele carrega o mundo das possibilidades…

Shin, Verdade, esse pequeno!

Meu nome, é Verdade:

Vim ao mundo e 
Encontrei vocês, para
Rir de momentos
Dos dias, dos
Amores, da rotina, rir, [as vezes não dormir]
De vocês, com vocês, meu
Encanto

Carrega no olhar um mundo de possibilidades <3

Carrega no olhar um mundo de possibilidades ❤

Somos desses…

<Miudezas…
Eu gosto de miudezas…
uns detalhes perdidos quando caminhamos pela rua
uma folha contorcida, uma brisa que anuncia a chuva
o tal do grilo que insiste em cantar,
ou a entonação das cigarras?
todas barulhando juntas no mês que virá

Ou então, saber – sem conseguir enxergar
aquilo que nos que compõe…
os fins… carboxilas ou aminas.
ou o que tem no meio (meio?)
trifosfatos, piruvatos, malatos
O X A L A C E T A T O S
fazendo ciclos, criando possibilidades

Já te falei?
Faço parte de um conjunto que é mais… Nós somos mais!
Somos mais do que nomeações com idiomas póstumos
feições amalucadas em aventais e óculos em laboratórios
cabelos desgrenhados em roupas surradas no meio do mato

Somos habitantes de um planeta que gira em torno de si,
Somos peculiares, temos gostos definidos…
Somos desses seres que ocupam nichos diversos
Que sorriem ao sentar em uma mesa de bar,
pedem cerveja (ou água, ou café…) e falam em uma linguagem estranha e particular
Somos desses que ficam ali sentados, falando por horas e horas de acontecimentos
(os quais chamamos fenômenos) cotidianos e banais
Somos desses que vibram à menor indicação de trilhas longas
mesmo sabendo dos zumbidos de mutucas e pernilongos
Somos desses que se sentem em casa ao falar de sinapses,
esclerênquimas, trilobitas, uracilas, metilalaninas
Mas arrepiam ao escutar a pergunta:
Tu que és biólogo, me responde uma coisa?

#diadabiologo 3 de setembro

#diadobiologo
3 de setembro

teu silêncio

Mendigava cafuné
em madrugadas insones
ganhava em troca o silêncio
que vinha com afago suave
num misto de preguiça e vontade

Teu silêncio,
que ora me encanta
ora me inquieta
e, sempre, me atordoa

 

abraço

Navegação de Posts

Caderninho de Ideias

Pra escrever o que eu acho sobre tudo que gosto!

TROVANDO ideias

TROVANDO ideias

cozinha pra machos

todo mundo pode cozinhar

Escreva Lola Escreva

penso, logo escrevo!

Ecce Medicus

penso, logo escrevo!

Blog do Sakamoto

penso, logo escrevo!

%d blogueiros gostam disto: