Palavras ao Vento

penso, logo escrevo!

Arquivo para a tag “Inconformidade”

Aconteça

Aquiete
Amanhãs,
Agora
Apenas
Arquitete
Ampla
Atmosfera
Agitada
Alvoroço
Ante
Aspereza
Ardente:
Aconteça,
Apenas

rua-18

Desacostumar-se [com palavras]

Não gosto de silêncio, de ruído, de paz ou de tormenta.
Não gosto do conforme, sublime calmaria intranquila da submissão (pensada ou não).
Daquilo que corrói por prender em aquietamentos, ideais de neutralidades, pífias vontades de tranquilidade, em um sofá de comodismos? Não gosto.
Não gosto de sentir esse peso da rotina, aprisionamentos costumeiros de horários, vestimentas, cortesias e desmandos à toa.
Não gosto do olhar fugidio e julgador, que silencia vozes, a minha voz, reafirmando o que está posto sem deixar o pensamento emergir.

Eu gosto do teu sabor, contraditório, teimoso, voraz.
Tenso, me desafia, transforma, disforme inconstância.
Gosto do sorriso incrédulo frente a miudezas cotidianas.
O que movimenta, ou faz parar (retomar o fôlego em suave descansar), e movimenta novamente.
Gosto do som baixinho e inconstante de tua respiração, quando se aproxima de minha pele.
Gosto do silêncio que fazes ao mirar, mimar, cuidar, tocar.
E da risada de quem desacredita na inocência alheia, pasmo diante de cegueiras crédulas.
Eu gosto. Da calmaria do sono, da turbulência da vida.
Gosto, salivo, d.e.s.e.j.o.

Gosto. Mas não te conheço.

protagonista

Persigo o mundo! #protaagonizo

O medo nosso de cada dia

Dilacera a carne
viola o corpo
finda a alma
cospe, ejacula, ignora
é só corpo, carne, coisa
exibe, ri, goza
é só uma piada.
xinga, culpa, julga
é vadia, tava pedindo, foi pro baile
a roupa é curta, o decote profundo
ela queria, não era virgem, já tem filho
é novinha, mas corre atrás do moço
sabe? É instinto, ele não consegue segurar
E ela? Nesse dia?

É mais um dia, sai na rua
Com que roupa?
Com qual batom?
Com qual decote?
E a saia? Aparecia o tornozelo?
Assim não pode
tá pedindo
tá deixando
tá querendo
tá, sim, merecendo
Se tivesse em casa
se tivesse na igreja
se tivesse trabalhando
se tivesse calada
se tivesse casada
Se não tivesse: vida
Salva estaria.

Que ódio é esse, mina! E eu? Não sou assim!
Nem todos são assim
Nem todos riem da piada
Nem todos contam a piada
Nem todos te ofendem
Nem todos te cantam na rua
Nem todos te passam a mão, a rola, o corpo, a língua
Nem todos te querem violentada
Nem todos te querem morta
Nem todos te querem exposta
Nem todos se compadecem
Nem todos te respeitam
Nem todos te olham
Nem todos se interessam
Nem todos são odiáveis
E eu digo: nem todos são odiáveis, mas nenhum sente o que é cotidiano.

Cotidiano? Como assim?
Aquilo que nós, mulheres, vivemos,
à cada saída na rua:
o apelo do cuidado
a sede pelo corpo
o anseio dos pais
o chiado do abuso
a mão que persegue
a rola que roça
os olhos que perseguem
todas vivemos: o medo.

Tu te ofendes por não ser todos?
Pois eu sinto medo: como todas.

2

eu sou contra a cultura do estupro

[Vaziedades]

Vazio contemporâneo:
saber da dor alheia e clamar a atenção para si
demolir pouco a pouco, o carinho construído
inflingindo falta de sensatez
estranha mania dos adultos, humanos
de escarafunchar solidão, impondo intolerante egoísmo.
Olha no outro e vê espelho, usa a imagem para engrandecer a si

Eu, eu, eu…
loucura narcísica
que cega e impede
o sentir.

Narcissus-Caravaggio_(1594-96)

[Narciso, de Caravaggio]

Ciranda #ocupaescola

Eles querem é te incluir na roda
fazer a ciranda girar e girar
cantar enquanto te param na rua
estancam tua vida por horas e horas
param tudo o que faz a rotina rodar [parada]

PARA TUDO e vai com eles rodar
S E M P A R A R

Eles querem é te incluir na roda
sentam na avenida, organizam a pauta
habitam a rua, remontam a vida
que deixamos passar
que esquecemos lá atrás!
Te liberta dessa mesmice
Te permite fazer parte da roda
que essa rua também é tua
e ela estanca é para continuar
Te permite aprender
Eles querem nos incluir…
OCUPAM e nos ensinam:
Como é que se apanha e segue na luta
Como é que se para uma cidade
Sentando na avenida
dormindo no chão
Chorando no ar da pimenta
Enfrentando batalhão

Reorganização? SIM:
do nosso parco
cotidiano
que todo dia
faz tudo sempre igual
estanca
esmaga
esmorece
não
permite
respirar!

#ocupaescola
E nos ensina: a viver

Foto retirada de: http://goo.gl/Xn0eOi

Foto retirada de:
http://goo.gl/Xn0eOi

Foto retirada de: http://goo.gl/uWxE98

Foto retirada de:
http://goo.gl/uWxE98

Sou Ana [até amanhã]

Habitam em mim várias em um mesmo corpo. Habitam sem disputar espaço, vivem numa deliciosa confusão, às vezes harmônica, às vezes na luta. Quase sempre amam a mesma pessoa, em momentos diferentes do dia e da noite… Todavia, quase sempre amam várias pessoas diferentes, nos mesmos momentos do dia e da noite…
O que as dilacera é essa crescente mania de todos em ditar o que, como e onde [mas nunca o porquê] dizer, vestir, sentar, pensar, viver. Dilacera, mas une… Ah! Essa inconformidade com as crescentes manias de um mundo que não tolera.
Mas há aquilo que é comum a cada habitante de mim… o amor: à arte, à fotografia, à escrita, à cultura, ao café, ao cafuné…
Há, também, o que me faça diferente em detalhes minúsculos e minuciosamente descalculados e desajustados… A tal da confusão.
Multiplicidades do ser, multiplicidade do estar…
Aninha, Anénha, Pequena, Little, Baixinha… Sou Ana das loucas, até amanhã, sou Ana! Depois, quem saberá?
Sou Ana copy
P.S.: Ah, sim: a tal da confusão, no auge dos embates, todas as minhas várias gostam de Chico Buarque. E acham que a vida faz mais sentindo quando escutamos suas músicas…

É chegada a hora

A noite se alonga linearmente, longínqua, em pensamentos díspares, confusos e entrecortados.

É no turbilhão de um imaginário, de pés em outros chãos possíveis, tangíveis ao viver… Querendo tanto…

Organiza a luta por ti!!! Agarra tua imensidão garota! Transforma-te no que tu és!

Rasga tua pele mansa e mostra tua força, refuga essa inércia!

Angustiante mania de rodar no mesmo lugar, de não expor tua sensível fragilidade, guardada na rispidez cotidiana…

(Confusa, confusa, confusa)

Desconfiada de ti, reverbera tua ansiedade, ecoando loucura!

Evoca a insana calmaria que tens guardada no fundo do teu ser: é hora!

#ÉChegadaAHora

#ÉChegadaAHora

 

Contramão

desatino
destino
insano
deixado
de lado
no inverso
do nexo
atropela
o óbvio
a verdade
que mata
trucida
ignora
o pobre
inexistente
na bolha
estúpida
da vida
furtacor

vomita
cristalina
gana
aversão
ao avesso
narcísico
vazio
de sentido
de razão
voraz razão
por pura
ojeriza
ao feio
e pobre
dispensável
em tua bolha
vida
furtacor

instala
o golpe
aplaudindo
aos brados
achando
bonito
apanhar
enquanto
no fundo
(bem no fundo)
pensas (pensas?)
que bates.

Golpe. Duro golpe.
Surrupiado aos urros
enquanto gritas gol
colore livros
ri da piada
e te acha oposição
seja esmagado quieto…
pois achas que o inimigo
tem 16 e anda de pé sujo
tem cor, cheiro, e nenhum status,
gene podre, pouco mérito
não batalhou
luta e vocifera contra o menor
e deixa instalar o golpe
permite te colocar a coleira
te prender ao pé da mesa
te amansar feito o que és.
SUBMISSO
às verdades inventadas
às insanidades geridas
às demandas ignoradas
deixa-te aprisionar
aplaude teu algoz
pensando ser salvador.
abandona tua voz
teu pensar
teu caminho
larga o país
no rumo do abismo

Eu sigo na contramão
[e espero não estar sozinha]

#Contramão #Golpe

#Contramão
#Golpe

Massa crítica

A massa, disforme,
deforma no vagão
sovada pelas curvas
dobra seu tamanho
no mesmo espaço
e espera…
o ponto,
a hora exata
e trabalha
trabalha
trabalha
e espera
a exata hora
do ponto
e volta, como massa
deformada no vagão
exprimida nas ideias
diminuída no tamanho
comprimida no espaço
e, calada, espera
o próximo gol.
Grita.
Bebe um gole
da pilsen
aguada e gelada,
que refresca
a noção
de ser massa.
Gol. Grita. Bebe.
Engole a vontade
de ser mais
que massa
mediana

Crítica é a massa
que aguarda a vida
trem no horário,
passo atrasado
ficar cansado
andar parado
viver no passado
esperar o futuro
sem gozar
o presente
o momento
o sublime
instante
do efêmero.

A massa critica
a crítica da massa
e no outro dia
comprime
de novo
a massa
disforme
deformada
no vagar.

#SomosMassa

#SomosMassa

Em tempo: Ser humano?

O que choca não é a mordida de um cão estressado, em meio aos helicópteros, tiros, bombas, gritos, em meio a uma cena de guerra.

O que desestabiliza e nos põe às lágrimas não são depoimentos isolados narrando um tempo de dedicação a um ideal, a um país, a um estado, aos filhos daqueles que batem (e dos que mandam bater).

O que indigna não é o descaso por um futuro e presentes trucidados, por cortes orçamentários de uma vida de trabalho.

O ultrajante não é a falta de vergonha de quem senta em confortáveis cadeiras, votando contra quem os colocou lá naqueles espaços.

O que estarrece não é pagar para ser roubado, para apanhar, para não comer, para adoecer e não ser educado.

O que sangra a alma não é ver navios afundando com gente dentro, por falta de vontade de deixar viver em solo pátrio (ou por medo de multas e prisões se salvarem a “gente” que está dentro).

O que dilacera não é ignorar a agressão a pobres, negros, índios, mulheres, crianças, gays (só por serem pobres, negros, índios, mulheres, crianças, gays) e celebrar mundialmente a escolha do nome real.

A violência está em ver que há conivência pela crença de que isto é um regime democrático, com a liberdade de falas (de todos). A violência é a crença de que existe binarismos simples, existe imparcialidade de comunicação e não somos todos, ao fim e ao cabo, submissos a uma vida que se passa no sofá assistindo à televisão domingo à noite, esperando a segunda-feira começar para o mais do mesmo.

O que choca, desestabiliza, indigna, ultraja, estarrece, violenta, dilacera a carne, a moral, a vida é saber que isso nada mais é do que ser humano.

O que me move é que não sinto isso sozinha e ao nadar contra essa correnteza de ódio e descaso, vejo outros comigo.

#SerHumano #Oque

#SerHumano
#Oque

(todas as imagens foram retiradas da internet)

Navegação de Posts

Caderninho de Ideias

Pra escrever o que eu acho sobre tudo que gosto!

TROVANDO ideias

TROVANDO ideias

cozinha pra machos

todo mundo pode cozinhar

Escreva Lola Escreva

penso, logo escrevo!

Ecce Medicus

penso, logo escrevo!

Blog do Sakamoto

penso, logo escrevo!

%d blogueiros gostam disto: