Notas não aleatórias

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

Arquivo para a tag “Mundo de Ana”

A vida? Não estamos preparadas…

Em um dado momento da vida, com um amigo tomando café nessas cafeterias charmosas e pequenas em ruas silenciosas, escutei:
– eu me casei cedo, eu tenho inveja de tua vida as vezes, sempre só com uma escova de dentes no banheiro… Essa liberdade e libertinagem parecem tão boas!
Ao que respondi:
– minha vida não é simples, e várias vezes invejo quem tem duas escovas de dentes no banheiro… Sábados à tarde… São momentos ruins de sermos solteiras.
Isso faz, mais ou menos, dois anos. A minha teoria dos sábados à tarde segue valendo… 
Hoje, este tema veio à tona de outra forma, sobre ter aquela vida perfeita de “propaganda de margarina”, saca? Eu sei que sacas, sim. Crianças felizes, casal sorrindo, vida cheia de amor, contas pagas… Como não olhar isso e não acreditar na felicidade?
Bom… A questão é que “objetivos de vida” são insaciáveis! Se movem constantemente, trocam de lugar no menor sinal de calmaria. Isso, de forma alguma, é ruim! Só mostra que estamos vivos, que gostamos de novos olhares e perspectivas (e isso não é largar o que temos, mas alargar horizontes, experiências, cotidiano…).
Ao chegarmos em uma certa idade (sim, este é um daqueles textos que pensa sobre as crises de 40 anos…), temos diferentes momentos, quando solteiras, pensamos na vida idealizada e feliz de casal; quando casal, pensamos na libertinagem da solteirice.
Sinceramente, eu (39 anos, solteira, vadia assumida e feliz) fico pensando na história da escova de dentes no banheiro, da cueca no armário… Admito que mesmo quando estou apaixonada e envolvida com alguém, tenho resistências incríveis ao compartilhamento de espaço da minha casa e/ou armário (admito que entrei em pânico há um tempo atrás ao me deparar com objetos assim na minha casa). A incoerência destes sentimentos (estar apaixonada, querer conviver e compartilhar a vida, mas não querer escova de dentes no mesmo armário, da mesma casa – para ilustrar: a cueca deve sair da tua mochila e ir para nossa gaveta? Será que falar disso é necessário? Em que momento? É possível estar apaixonada, querer compartilhar e não querer cueca na gaveta da nossa casa?), a convivência com pessoas que têm outros estilos de vida (como casais, com relacionamentos abertos ou não, com filhos, sem filhos…), sempre me faz pensar que toda idealização é tola e perigosa, diminui o que temos e conquistamos em nossa vida. 
De qualquer forma, como alguém que já teve relacionamentos longos, também me pego pensando se (hoje) me serve o modelo que nos faz sentir aprisionados. Eu gosto da minha liberdade. Gosto de fazer planos e não comunicar muito as pessoas. Paradoxalmente, em relações felizes, nunca me senti sem liberdade, e comunicar o parceiro de planos era mais vinculado à ideia de incluir (não necessariamente com a participação do cara nos planos, mas incluir na vida mesmo, saca?) do que de dar satisfação. 
Sei lá… Centralidades e neura de rótulos, gente que precisa apontar e dizer: que és desse ou daquele sujeito, que as relações devem ser deste ou daquele jeito, que amor mesmo é comportar-se assim ou assado… Essas  assertivas, penso eu, vem com toda sorte de culpas que sentimos dentro dessas relações – sejam elas quais forem! 
Rótulos, definições, objetivos fixos (e alcançados) de vida… Como não nos sentirmos cerceados por nós mesmos assim? Mobilidade, inconformidade (no sentido de não se permitir acomodar), sagacidade e disponibilidade para o novo (sem abandono do que temos, necessariamente) parece ser um jeitinho interessante de viver… O desapego – tão ovacionado e julgado na vida contemporânea – deve ser daquilo que nos atrasa e prende na vida!
Ah! A vida… recheada de deliciosas crises que bagunçam cada segundo de certezas estapafúrdias! Eu, por mim, venho tentando aceitar a inexatidão e o acaso, o sorriso e o amor, a liberdade e sua bagunça, o companheirismo e suas declarações sinceras!
*[E peço a ti, que chegou até este ponto do texto, que aceite a inabilidade desta moça em finalizar o texto, pois as palavras me fogem pelo excesso de zelo com a construção exata das frases e incoerência exacerbada na vontade de viver… Demasiadas: minhas crises, essas lindas! Que venha os 40…]
As crises

Ceci n’est pas une invitation

Minha pele desnuda
que desfila pelo lar
de um lado, para outro lado
retorna, roda, dança um tanto
como se os segundos fosse eternos
e o tempo percorresse sob meu controle…

Meu corpo, andarilho
fonte e residência de mim
que anseia por prazeres inúmeros
do tato, do olfato, do paladar
de si mesmo, quanto de tantos outros
meu corpo que ama, intenso
goza às gargalhadas
aguarda o afago sincero
e a ardente vontade
[língua, dentes, pau, corpo todo]

Mas é isso?
meus dias vividos nesse corpo
líricos momentos, palavras soltas
planejamentos, estudo, foto na pesquisa
na sala de aula, no livro, na formação

Minha poesia, imbuída de tesão
incompletudes, êxtase, imaginação
minha poesia, carregada de paixão
saudade, carinho, coloridas calmarias
minha poesia, permeada de lutas, trabalho, voracidade
tempos de embates, políticas, insana ansiedade

Minha pele, minha residência, meus dias
meu tesão, meu trabalho, meu amor, minha disputa
o que me ocupa e habita, me pertence, meu eu, em verso
Eu, intenso universo em corpo controverso
Meu, em mim.

A pele clama
o suor prolifera
os olhos anseiam
os dentes aguardam
A saliva deseja
o sabor do pulsar
Mas um pulsar que não é o teu…

E o que é teu,
claro e límpido como deve ser: não cabe aqui.
Isto, meu prezado: não é um convite.

Ah… o discurso carregado das palavras!
Do ‘me fode com força e me deixe o hematoma de lembrança’
ao pedido da singela companhia até o despertar
tempo e intensidade

Do educado e desinteressado ‘bom dia’
ao sussurrado ‘quero teu corpo contorcendo-se de prazer’
espaços que podem ser habitados

Do rolê casual no bar, cerveja e risadas com a geral
ao café em minha cama ao despertar
um mundo de acontecimentos milimetricamente calculados

Desta foto [ou outra qualquer] com legenda boba publicada,
à tua vontade a mim indigesta, anonimamente declarada
um poço de transgressão, da tua óbvia falta de noção…

Afirmo, prezado transeunte,
teu desejo não é meu presente
teu pau não é meu deleite
minha cama não é teu leito
meu corpo não é teu convite

ceci-nest-pas-une-invitation

ceci n’est pas une invitation

 

 

Não sou fome

Não sou fome
que, fugaz,
se nutre e satisfaz
finaliza ímpetos

sou mais, voraz,
salivo no menor sinal
de tua pele, teu cheiro, teu gosto
insacio-me com deleite

habito teu suave descanso
enquanto teu sorridente silêncio
se apresenta, extasiado
respira, desaba, abraça

entrelaça: nós em si
pele que se confunde em suor
de novo, mais uma vez,
ávido torpor

não sou fome
sou vontade de comer

8-copy

Poesia de dicionário

As rosas são vermelhas
As violetas são azuis
essa poesia clichê
sem rima, se assemelha
Je ne sais pas qui je suis
(uma constância sem você)

Rosas são libertas
violetas irrompem em cor
catártico é o escrito
que com rima, flerta
na busca de tom, com sabor
para o afago fortuito

2014-09-08 00.07.12

Diálogos (não) inventados

Em meio a conversas aleatórias sobre admiração e respeito, os significados das palavras parecem encantar. Empatia, por exemplo…

Sabe? Aquilo que anda faltando na vida mais miúda cotidiana? Em momentos de singular desprentenciosidade a tal da empatia ganha atenção por ser rara e, quando mencionada, parece pairar com um ar de alívio daqueles que se sentem sufocados por perceberem o outro como sujeito.

Enquanto a conversa desenrolava, suave, além de empatia surgem pitadas de sarcasmo e ironia apontando uma sagacidade incomum naquele garoto…
– Estilos de vida que tenho um apreço grande – disse ele…

Em meio aos compromissos diários, às urgências da rotina, despediram-se declarando a necessidade de continuar a conversa, em vontade recíproca (outra palavra que aparentemente ambos encantam-se), a fim de abordar os significados de palavras interessantes, dentre outras bobagens (sérias ou não):

– Ai de você se não me der essa oportunidade de seguirmos a conversa…

Tendo em vista os horários na agenda, mil e-mails pendentes e compromissos inutilmente vividos mas inevitavelmente irrevogáveis, envolta em pensamentos, ela deixa escapar, em voz alta:

– É. Ai de mim se eu não me der essa oportunidade de seguirmos a conversa…

20141003

Vem aqui que te explico…

Aconteça

Aquiete
Amanhãs,
Agora
Apenas
Arquitete
Ampla
Atmosfera
Agitada
Alvoroço
Ante
Aspereza
Ardente:
Aconteça,
Apenas

rua-18

Imprudências

Rara leveza imprudente
de conversa sutil,
sorriso inconsequente

expele palavras
constância do sentir
confusões do amar

demasiada,
mente
demasias: folia

olhar insalubre
fabrica fugas,
ébria sombria

entorpecida pelo desejo
registra, inexistente desapego
da vida, estanque momento

Sua rara leveza:
imprudência da menina
pensando palavras ao vento

cafe-8

A casa é sua

Ele desponta na próxima esquina, sem rumo, nem destino
encanta, sorri, abraça, morde, dorme, acorda, delicia o dia
enquanto na vida, num repente, se aconchega no sorriso
desmonta o coração, a calmaria, intranquila mania da menina
que reluta, em sua armadura constante, estranha dureza cotidiana.
Reluta, até o abrigo do cafuné na barba, do ímpeto da poesia,
do suspiro prolongado e diz:
Se achegue…
A casa é sua, seu moço, pode entrar.
Faz da vontade, morada,
não repara na poeira, minha esdrúxula bagunça,
o último morador não soube cuidar.

(poesia em Parceria com Simone Bispo, do blog Dona Bispa)

poesia

Foto retirada de:http://data.whicdn.com/images/7514103/tumblr_lha5u6MBLA1qbujfgo1_500_large.jpg?1298833476

Tempo

Tempo1

Desacostumar-se [com palavras]

Não gosto de silêncio, de ruído, de paz ou de tormenta.
Não gosto do conforme, sublime calmaria intranquila da submissão (pensada ou não).
Daquilo que corrói por prender em aquietamentos, ideais de neutralidades, pífias vontades de tranquilidade, em um sofá de comodismos? Não gosto.
Não gosto de sentir esse peso da rotina, aprisionamentos costumeiros de horários, vestimentas, cortesias e desmandos à toa.
Não gosto do olhar fugidio e julgador, que silencia vozes, a minha voz, reafirmando o que está posto sem deixar o pensamento emergir.

Eu gosto do teu sabor, contraditório, teimoso, voraz.
Tenso, me desafia, transforma, disforme inconstância.
Gosto do sorriso incrédulo frente a miudezas cotidianas.
O que movimenta, ou faz parar (retomar o fôlego em suave descansar), e movimenta novamente.
Gosto do som baixinho e inconstante de tua respiração, quando se aproxima de minha pele.
Gosto do silêncio que fazes ao mirar, mimar, cuidar, tocar.
E da risada de quem desacredita na inocência alheia, pasmo diante de cegueiras crédulas.
Eu gosto. Da calmaria do sono, da turbulência da vida.
Gosto, salivo, d.e.s.e.j.o.

Gosto. Mas não te conheço.

protagonista

Persigo o mundo! #protaagonizo

Navegação de Posts

Caderninho de Ideias

Pra escrever o que eu acho sobre tudo que gosto!

TROVANDO ideias

TROVANDO ideias

cozinha pra machos

todo mundo pode cozinhar

Escreva Lola Escreva

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

Ecce Medicus

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

Blog do Sakamoto

[o acaso da vida existe, a aleatoriedade da escrita: jamais!]

%d blogueiros gostam disto: