Palavras ao Vento

penso, logo escrevo!

Arquivo para a tag “Rompantes”

Aconteça

Aquiete
Amanhãs,
Agora
Apenas
Arquitete
Ampla
Atmosfera
Agitada
Alvoroço
Ante
Aspereza
Ardente:
Aconteça,
Apenas

rua-18

Vou deixar de ser…

vou desistir da vida de vadia, virar amélia do lar
limpar a poeira daquele velho sofá no coração
chamar o moço, aquele lá, bem vestido
emprego importante, automóvel do ano
que paga conta, abre a porta, é gentil
é polido e admira o recato da mocinha
moço de bem, marido honesto
lê jornal, na hora do café
elogia a janta, feita com esmero
enquanto pensa na sobremesa
dorme ruidosamente
enquanto a noite chega e a vida passa
[seculares segundos, até o amanhecer]
acorda logo cedo, junto com o sol
enquanto entedia a vida da esposinha

[suspiro]
não adianta!
sem sexo, sem nexo
não tem dia a dia
na tua poesia

deixa esse moço enfadonho, tu gostas mesmo é do turbilhão
deixa a conta na mesa – dividida na graça, na leveza, na risada
deixa o carro fechado – caminha na luz da lua, no frescor da rua
deixa o sofá rasgar – o conforto é de deitar no chão gelado e trombar em parede
deixa a janta esfriar – o bom mesmo é matar fome de pele, na mordida, sem pudor
deixa a noite chegar e o dia amanhecer – segundos existem para o suor, a saliva, o sabor
dormir?
só quando a exaustão se instalar, até o cansaço passar
dorme ruidosamente
enquanto o dia chega e a noite se esvai
acorda com o sorriso preguiçoso
com segundos que passam lentos,
só para sorrir de novo e a pele urrar por mais
enquanto a vida não sacia, vadia

[suspiro]
não adianta!
não tem vadia
sem poesia

9 copy

[sobre deixar de ser vadia: dia da mentira

Sobre o amor e outras falsas verdades

Naturaliza o silêncio
Os passos do rubor
Da palavra mal dita
Do suor sem vontade
Do sim sem verdade
Insosso cotidiano
Costumeiro, acostumado
Invade a vida, senta na cadeira
E fica ali, acumulando: pó
E quando sai, sacode
Em cinco linhas, sem frases, sem fala, nem coragem
Se espanta com o sorriso do alívio, do outro
Depois da tempestade

Ardor intenso no sábado à tarde
Fome eterna sem saciedade
Maldita? Pele, barba, sorriso
Arranha, ri, morde, goza
G A R G A L H A
E nos dias cinzas, colore a vida
E sabe suportar, em silêncio ou aos brados
Intempéries de tristeza e sanidade
Ou instantes de voraz alegria
Deleita-se com a feliz conquista, do outro
Só pelo outro ser o outro,
E, simultaneamente, nós
Tempestade.

Sobre o Amor
Insano e fugaz, eterno
Espinho e Adverso
Desordeiro
Querer

E tu? Sai ou Fica?

Sobre o amor e seus espinhos (Trecho de pintura de Olga Costa, artista plástica alemã, nacionalizada Mexicana. Atualmente em exposição no Instituto Tomi Ohtake/SP - Frida Kahlo - conexões mulheres surrealistas no México)

Sobre o amor e seus espinhos
(Trecho de pintura de Olga Costa, artista plástica alemã, nacionalizada Mexicana. Atualmente em exposição no Instituto Tomi Ohtake/SP – Frida Kahlo – conexões mulheres surrealistas no México)

Sou Ana [até amanhã]

Habitam em mim várias em um mesmo corpo. Habitam sem disputar espaço, vivem numa deliciosa confusão, às vezes harmônica, às vezes na luta. Quase sempre amam a mesma pessoa, em momentos diferentes do dia e da noite… Todavia, quase sempre amam várias pessoas diferentes, nos mesmos momentos do dia e da noite…
O que as dilacera é essa crescente mania de todos em ditar o que, como e onde [mas nunca o porquê] dizer, vestir, sentar, pensar, viver. Dilacera, mas une… Ah! Essa inconformidade com as crescentes manias de um mundo que não tolera.
Mas há aquilo que é comum a cada habitante de mim… o amor: à arte, à fotografia, à escrita, à cultura, ao café, ao cafuné…
Há, também, o que me faça diferente em detalhes minúsculos e minuciosamente descalculados e desajustados… A tal da confusão.
Multiplicidades do ser, multiplicidade do estar…
Aninha, Anénha, Pequena, Little, Baixinha… Sou Ana das loucas, até amanhã, sou Ana! Depois, quem saberá?
Sou Ana copy
P.S.: Ah, sim: a tal da confusão, no auge dos embates, todas as minhas várias gostam de Chico Buarque. E acham que a vida faz mais sentindo quando escutamos suas músicas…

É chegada a hora

A noite se alonga linearmente, longínqua, em pensamentos díspares, confusos e entrecortados.

É no turbilhão de um imaginário, de pés em outros chãos possíveis, tangíveis ao viver… Querendo tanto…

Organiza a luta por ti!!! Agarra tua imensidão garota! Transforma-te no que tu és!

Rasga tua pele mansa e mostra tua força, refuga essa inércia!

Angustiante mania de rodar no mesmo lugar, de não expor tua sensível fragilidade, guardada na rispidez cotidiana…

(Confusa, confusa, confusa)

Desconfiada de ti, reverbera tua ansiedade, ecoando loucura!

Evoca a insana calmaria que tens guardada no fundo do teu ser: é hora!

#ÉChegadaAHora

#ÉChegadaAHora

 

Sólida lucidez (Poesia de dicionário)

sólida
lucidez:
insolúvel,
límpida,
descortês,
imutável.

fétida
nitidez
volúvel

lúcida
(lúdica?)
solidez
(solitária)

#MundoDeAna

#SólidaLucidez #LúcidaSolidez

#SólidaLucidez
#LúcidaSolidez

Roda a saia, menina, e ama

Roda a saia, pequena
E deixa, e sente, e sorri
Aguarda a tormenta passar
E virar brisa suave

Roda a saia menina!
E pula, e grita, e canta
Canta desafinada
Mas segura de si
Do que ama, do que sabe
Do que vive e vibra
Segure-se, baixinha, na ventania
E roda, e anuvia, e aguenta a tormenta

Roda a saia, linda, louca e plena
E suspira, por saber
Que na luta miúda buscamos
O respeito, por mim e por ti
Conquista diária na fala articulada,

No cotidiano suado, sempre
De cabeça erguida, sem subserviência
Eu sei meu lugar. E rodo a saia
E choro o pesar, e celebro o dia
O amar, o viver o dançar.
Danço meu prazer.
Danço minha música
Canto voracidade.

Roda a saia menina
Dança e canta, que amar é mais
E raiva se combate é na minúcia
Na felicidade, destilando alegria
E eu sei meu lugar.
E eu sei que é só o começo do embate
E eu sei dos gritos de ódio, de rancor.
Escuto aqui, ao meu lado, na rua,
Eu sei, eu sinto, eu vejo
E entristeço, todos os dias
Mas sigo, amo e respeito
Todos os dias

E para cada um que duvidar
E para cada um que desafiar
E para cada um que debochar
Meu mais profundo e sincero amor
Desacatado, vadio, insano: amor
Pois eu, meu bem, sigo na luta
Gritando. E meu grito é por mim
Mas é também por ti. Tua raiva
Não passará. Teus brados eu escuto
E deixo a tormenta formar, e anuviar
Até a brisa suave chegar
E instalar a calmaria vinda do embate
E aí? Danço, rodo a saia, canto
Sem nunca cansar

Meu mundo (por mim, por outros)

Vomita a indignação
Das possibilidades de vida
De uma política ensandecida
Da falta de inspiração
Pelo cansaço do discurso
Fadado à constância
Fardado para a luta

Brado, grito, choro, pulo
Mas não, não silencio!
Meu mundo é do ruído
Minha gana é por um mundo
Que é de Anas, de Marias, de Miwas
De Pedros, de Carlos, de Joãos,
De Rosas, Margaridas, Lírios e Ipês
De uns, de outros, de todos
Que lutam ao lado ou não

Minha gana é pelo mundo
Meu voto é meu, e é por ti
por nós, por todos. É meu, é público
Dedicado e interessado. Declarado
Mas crítico e não cego. Pronto para seguir
No murro, na luta e nunca parar

Só subo no muro se for para ver
Mais longe e buscar mais mundo
Mais gente com vontade, insanidade
Mais fôlego de te perceber, também,
Com gana, de mais querer.

8672515880_7b6dac4ed9_o

Dos fatos isolados

Rasga a pele
Dilacera a alma
Interrompe a vida
Destroça o corpo

Diminui a culpa
Minimiza o ato
Autoriza o tapa
O pau, a porra

Deixa o menino seguir
Legitima a vontade de gozar
E segue, acusa a menina:
De vestir, de andar, de beber, de existir

Aponta na rua e grita
Joga pedra, cospe, ejacula
Atira na lama, ignora o sofrer
Sofrer? Foi só um ato

Deixa a sociedade seguir
Na barbárie dos corpos
Que não podem viver
Sem pedir, ajoelhar, implorar

Até quando, mulher?
Até quando menina?

Enquanto banqueteiam-se
Isoladamente, futilmente
Desgastando a carne
Tratando como lixo

Até quando, homem?
Até onde humano?

Ri sociedade
Da piada sem graça
Do asco do corpo
Que segue na luta

Ri, com asco
Até quando?

Reage mulher
Usa tua voz
Tua gana
Tua força

Urra a plenos pulmões: NÃO MAIS
Meu corpo, minha luta, meu prazer,
Nessa pele a tua força
Só entrará com convite

Grita. mulher: quero e posso
Rir alto, beber muito
Trabalhar árduo, ganhar igual
Correr na rua: não é por ti

Grita, mulher: eu exijo o ato
Foder forte! Gozar? Todos os dias
Com minhas mãos ou tua língua
Mas só quando eu quiser

Grita o óbvio: meu corpo
Meu deleite, minha festa, 
Nessa casa mando eu
E só entra quando eu quiser

Chega de juiz
Chega de governo
Chega de gerência
No nosso corpo, mulher

Chega de culpa
Chega de abuso
Chega de desmando
No nosso corpo, mulher

Fato isolado?
Como o corpo dilacerado?
A vida interrompida?
A alma destroçada?

Até quando mulher?
Até quando menina?
Até quando homem?
Até onde humano?

Eu digo:
Não passarás

Nosso corpo, nosso prazer,
Nossa festa, nossas regras

Meu corpo Minhas regras Meu prazer

Meu corpo
Minhas regras
Meu prazer

Mas qual o motivo de tanta revolta, garota? Não sabes? De novo, ultraje, violência e permissividade.
“Mesmo tendo sido preso em flagrante, juiz levou em conta que jovem de 25 anos é réu primário e disse que estupro é “fato isolado”” – Não, não posso, não consigo, não quero calar-me. Não mais…
http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2014/10/justica-manda-soltar-suspeito-de-estuprar-adolescente-na-capital-4620804.html?utm_source=Redes+Sociais&utm_medium=Hootsuite&utm_campaign=Hootsuite

Sobre carinho, pedaços de mim e suor…

Meu carinho
Vem provido
De mãos
Boca
Língua
E todos
Os meus
Pedacinhos
Que possam
Te interessar

E aguardo
que teu
interesse
Resulte em
Suspiros
Ofegantes
E suor
Sem pudor
Com ardor

10149_511158268932215_910877952_n

Navegação de Posts

Caderninho de Ideias

Pra escrever o que eu acho sobre tudo que gosto!

TROVANDO ideias

TROVANDO ideias

cozinha pra machos

todo mundo pode cozinhar

Escreva Lola Escreva

penso, logo escrevo!

Ecce Medicus

penso, logo escrevo!

Blog do Sakamoto

penso, logo escrevo!

%d blogueiros gostam disto: